Conferência “Maçonaria e Templarismo”

Sextas da Arte Real - Maçonaria e Templarismo

No dia 28 de Fevereiro de 2014,  sexta-feira,  pelas 19.00H, o Museu Maçónico Português, realiza no Palácio Maçónico do Grémio Lusitano, a conferência “Maçonaria e Templarismo”, a apresentar pelo Eng. Nuno Nazareth Fernandes, no âmbito do ciclo Sextas da Arte Real.

 Fernando Castel-Branco Sacramento

Director
Museu Maçónico Português
Rua do Grémio Lusitano nº 25
1200-211 Lisboa  

As Luzes e as Invasões Napoleónicas – Conferência

As Luzes e as Invasões Napoleónicas Cartaz-page-001 (1)

CONVITE

No dia 17 de Janeiro de 2014, sexta-feira, pelas 19.00H, o Museu Maçónico Português, realiza no Palácio Maçónico do Grémio Lusitano, a conferência “A Maçonaria Portuguesa – As Luzes e as Invasões Francesas”, a apresentar pelo Prof. Doutor António Ventura, no âmbito do ciclo Novos Paradigmas. Continuar a ler

Conferência “Constituições de Anderson e dos Antigos”

No dia 29 de Novembro de 2013, sexta-feira, pelas 19.00H, no Palácio Maçónico, o Museu Maçónico Português, realiza a conferência Constituições de Anderson e dos Antigos, apresentada pelo Dr. Salvato Telles de Menezes, no âmbito do ciclo Sextas da Arte Real.

GOL Continuar a ler

“Sextas Arte Real” no Museu Maçónico Português

Convite 

Arte Real  - Poster No dia 27 de Setembro de 2013, pelas 18.30H, na Sala Magalhães de Lima, do Palácio Maçónico, o Museu Maçónico Português realiza, no âmbito do ciclo Sextas da Arte Real, a conferência/debate As Origens da Franco-Maçonaria de 1717, a apresentar pelo Prof. Doutor José Manuel Anes, seguida da projecção do vídeo, “The Scottish Key”.  Continuar a ler

Combate à corrupção é insuficiente

Combate à corrupção é insuficiente

Grão-mestre critica actual excesso de “ruído mediático na República”

“Chegou o momento de sermos mais eficientes no combate à corrupção”.  A frase é do ex-deputado do PS António Reis, grão-mestre da loja maçónica do Grande Oriente lusitano, que acusou os media de se quererem substituir aos órgãos de soberania do regime.

“O combate à corrupção tem sido insuficiente”, afirmou ontem no final das duas intervenções da manhã, o ex-deputado socialista e historiador António Reis, antes de se afirmar confiante nas medidas que sairão da comissão parlamentar que está a estudar esse problema, liderada, aliás, pelo seu camarada de partido Vera Jardim.

O grão-mestre do Grande Oriente Lusitano (GOL) afirmou ainda ter chegado a ocasião “de sermos mais eficientes no combate à corrupção”. Do púlpito, já tinha proferido duras advertências à fase individualista, gananciosa, liberal e prepotente que o mundo atravessa.

“É preciso recuperar a essência dos valores republicanos e laicos, porque são o melhor antídoto, o melhor escudo protector contra o abuso do poder financeiro sobre o poder politico”, disse.

Na sua alocução, o dirigente do GOL exortou “a uma ética social” exercida com “honradez, austeridade e o anti-ostentacionalismo de quem coloca o interesse público acima do interesse pessoal”.

Reis condenou ainda “a pseudo-democracia da opinião” traduzida “em sondagens e depoimentos que prejudicam o debate e o exercício do espírito crítico”. “Os media não são os verdadeiros representantes do povo”, realçou. E concluiu:

“Há hoje demasiado ruído mediático na República”.

Já o catedrático Amadeu Carvalho Homem exortou o Estado português a manter a laicidade, para mais quando Portugal acolhe tantas etnias com tantas outras diferentes espiritualidades, no que designou pelo multiculturalismo.

“Mas para que funcione é imperioso que o Estado não seja confessional, é preciso que seja neutro e laico em matéria religiosa”, disse, dizendo querer “recomendar aos nossos governantes: não se metam no beco sem saída de tentar confessionalizar este país”.

Palavras que causaram algum impacto, uma vez que o Governo decidiu conceder tolerância de ponto aos funcionários públicos nos distritos visitados pelo Papa Bento XVI, durante os dias em o Sumo Pontífice estiver em Portugal, já em meados de Maio.

Maçonaria Lusitana

GOL CELEBRA 208 ANOS

O Grande Oriente lusitano – Maçonaria Portuguesa foi fundado em 1802, esteve nas origens da Revolução liberal de 1820 e da Revolução Republicana de 1910. Clandestina durante o Estado Novo, recuperou parte do património e reorganizou-se após o 25 de Abril de 1974.

GRÃO-MESTRE DESDE 2005

António Reis nasceu em 1948 e foi eleito grão-mestre do GOL em Junho de 2005. Membro da Oposição Democrática, co-fundador do PS e deputado, foi oficial miliciano e no 25 de Abril fez parte do destacamento que ocupou os estúdios da RTP

Museu Maçónico Português

MUSEU COM 250 ANOS DE HISTÓRIA

0 Museu Maçónico Português, fundado em 1984, situa-se na Rua do Grémio lusitano 25, em Lisboa, e retrata a História de Portugal e da Europa nos últimos 250 anos.